Grandes manifestações de 15 de março gritam bem alto: “Não à reforma da Previdência!” SEEMRJ presente!

Com muita música, alegria e unidade, milhares de trabalhadores e estudantes caminharam no dia 15 de março, da Candelária à Central do Brasil, no Centro do Rio, contra a chamada “reforma da Previdência”. A multidão, que atendeu à convocação das centrais sindicais e dos movimentos sociais, ocupou todas as faixas da Avenida Presidente Vargas, uma das principais vias de acesso à capital do estado, desde as 16 horas.

O Sindicato dos Empregados de Edifícios do Rio (SEEMRJ) esteve presente. “Temos que protestar contra esta reforma do Governo que, na verdade, quer acabar com a aposentadoria no Brasil. Sem a Previdência Social, sem aposentadoria, como ficarão os trabalhadores deste país? Serão velhos miseráveis, sem renda, passando necessidade. Nosso Sindicato é contra mais esse golpe contra os trabalhadores”, destacou o companheiro Carlinhos, presidente do SEEMRJ.

Diretores do nosso Sindicato na passeata contra o ataque de Temer à aposentadoria

Em ato pacífico, a manifestação reuniu, além dos empregados em edifícios, outras categorias como metalúrgicos, químicos, operários da construção civil, frentistas, propagandistas de produtos farmacêuticos, professores, rodoviários, siderúrgicos, trabalhadores em saneamento, marceneiros, aeroviários, trabalhadores em lotéricas, aposentados, entre outros.

“A juventude vai pagar um preço alto se esse absurdo passar. Não há dignidade se um país não reconhece o direito do trabalhador”, afirmou Ibiapina Santos, do SEEMRJ.

Em todo o Brasil o mesmo lema: não votaremos nos deputados e senadores que aprovarem o fim da aposentadoria

As manifestações do dia 15 de março aconteceram em todo o país com muita força e impressionou os políticos. Agora, é manter a unidade e a mobilização dos trabalhadores para derrotar de vez esse projeto infame.

“Os deputados e senadores que votarem a favor desse projeto podem ter certeza: não receberão o voto dos trabalhadores em 2018. Vamos marcar em cima e denunciar cada um deles!”, conclamou Carlinhos.